5 erros comuns de iniciantes em otimização de conversão

Home / Experimentation from around the world / 5 erros comuns de iniciantes em otimização de conversão

Por Ana Catarina Cizilio

Devido a crise de Covid-19 no Brasil, com fechamentos e nenhuma previsibilidade, muitos negócios estão se vendo forçados a crescer rapidamente no digital. O dólar alto, a mídia cara, chegou a hora de aprender como fazer mais com menos e focar no público que está no seu site. 

A cultura da otimização de conversão e experimentação tem crescido no Brasil nesses últimos anos e reunimos aqui alguns erros principais de quem está começando a atuar na área.

1. Gastar tempo com testes de cores de botões

É comum vermos estudos do Google mostrando testes a/b que foram feitos para identificar “qual o melhor tom de azul” faz com que usuários cliquem mais nos resultados de busca. Mas é um erro gastar tempo demais nisso, principalmente quando não somos o Google.

Cores de botões são sim importantes para a conversão, principalmente em usabilidade: ele deve estar visível e se destacar de outros pontos da sua interface. Porém, testes de cores de botões são nada estratégicos – qual a diferença para o usuário se o botão de comprar é vermelho ou verde? 

Concentre seus esforços e seus recursos em itens que de fato podem comprometer sua conversão: copywriting, personalizações, imagens, vídeos, ordem dos conteúdos, selos, etc.

Courtesy of CRO Memes: https://cromemes.com/nggallery/image/30042021084941/

2. Aplicar “melhores práticas” sem teste

Ao adentrar a área de CRO, somos bombardeados com cases de sucesso e vários resultados de teste com mudanças “simples” e resultados gigantescos. 

READ  Specsavers' Melanie Kyrklund on How to run a high-impact optimization program

É comum que muitos iniciantes acreditem que para obter retorno rápido, basta aplicar essas mudanças e os resultados serão parecidos – mas na esmagadora maioria das vezes não.

Ignorar os diagnósticos e todo o aprofundamento de research necessário para formular novas hipóteses não faz parte do CRO – copiar um elemento do seu concorrente só porque funcionou pra ele, não quer dizer que você terá o mesmo retorno. 

Lembre-se sempre que cada empresa possui um perfil de público específico, fontes de tráfego específicas, propostas de valor diferentes, dentre vários outros fatores que afetam diretamente a conversão e, consequentemente, o resultado de qualquer teste.

Sinta-se livre para se inspirar em testes a/b do mercado, mas não aplique nenhuma mudança sem testar antes 🙂

3. Não se preocupar com significância estatística

O conceito pode ser complicado no início, mas é muito importante se preocupar com ele – caso contrário, você pode estar tomando decisões para o seu negócio que podem gerar prejuízos.

Em geral, consideramos 95% de significância estatística um bom percentual para o resultado final do teste. Isso significa que somente 5% das amostras podem estar fora do seu intervalo de confiança (conversão observada considerando a margem de erro).

Tudo isso para responder à uma principal questão: qual risco você está disposto a assumir de que o teste, ao ser aplicado, possa não converter exatamente como foi no teste?

Advertisement

READ  Question of the Week: Which product description page would lead to more cart additions?
Connect with members of the Experiment Nation Directory
PhotoNameLocationShort Bio / SpecialitiesLinkedIn URL
Nadim Haddad Toronto, Canada Experimentation, personalization, analytics, BU reporting http://www.linkedin.com/in/nadimhaddad/
Dylan Lewis San Diego, CA USA Experimentation, Analytics, and Decision Making https://www.linkedin.com/in/dylanlewis/
David Stepien Bonn, Germany Experimentation, Data Analysis https://www.linkedin.com/in/david-stepien-7a86b2128/

4. Não ouvir seus usuários

É comum quebrarmos a cabeça tentando entender o que uma alta taxa de rejeição significa, porque determinado elemento que não é clicável está recebendo cliques…

A melhor forma de entender o comportamento do seu usuário é observando-o e lhe fazendo perguntas. Em vez de perder tempo para tentar descobrir o que certos dados querem dizer, invista em testes de usabilidade, entrevistas e pesquisas qualitativas – elas reforçarão sua hipótese e podem te ajudar a explorar várias alternativas.

5. Não priorizar suas hipóteses

Independentemente de como é o processo de CRO da empresa que você atua, é importante priorizar suas hipóteses. 

É muito comum que iniciantes pensem que mudanças maiores (como re-estruturar uma landing page do zero) podem trazer resultados mais rápidos (e de fato, é uma possibilidade). Porém, você pode estar perdendo várias mudanças pequenas, fáceis de aplicar no desenvolvimento e que levarão aos maiores resultados financeiros.

Procure utilizar o ICE score para te ajudar nisso!

READ  Product Experimentation: Aligning the need to deliver and the need to learn with OKRs

Connect with Experimenters from around the world

We’ll highlight our latest members throughout our site, shout them out on LinkedIn, and for those who are interested, include them in an upcoming profile feature on our site.

You may also like

Reprise Digital Spain’s Silvia Serrano on applying Maslow’s hierarchy of needs to CRO

Silvia shares how to apply Maslow’s hierarchy of needs to CRO as well as how to think about testing for Read more

Spencer Gray on how CRO is not a standalone service but rather a team sport

Spencer Gray shares how he grew the CRO department at 97th floor and how successful CRO works with other services.

Ana Catarina Cizilio tells us about CRO in Brazil and the mindset needed for CRO

Ana tells us about the differences between the US and Brazil, as well as about the mindset you need to Read more

Product Experimentation: A chat with Moshe Mikanovsky about building competency and fluency with data (Part 2)

Jaya and Sid chat with Moshe Mikanovsky, a Product Manager with over 30 years of experience, about the importance of Read more