Principais diferenças da atuação de CRO em agência e dentro da empresa - Experiment Nation

Principais diferenças da atuação de CRO em agência e dentro da empresa

Home / Experimentation from around the world / Principais diferenças da atuação de CRO em agência e dentro da empresa

Por Ana Catarina Cizilio

Em 6 anos atuando com otimização de conversão, tive oportunidade de trabalhar em dois mundos diferentes: em agência e dentro de uma empresa. 

Neste post, procurei reunir as principais diferenças que percebi nos dois – espero que seja útil especialmente para você, 

  • Profissional de CRO que está procurando definir sua atuação 
  • Diretor, gerente ou decisor, que está em dúvida sobre contratar um fornecedor ou criar uma equipe na sua empresa. 

Boa leitura!

Troca com outras equipes

Atuando dentro da própria empresa, percebi que tenho uma troca mais constante com outras áreas que eu não tinha tanto contato assim quando estava em agência. Muitas dessas áreas impactam diretamente o CRO, como a área comercial, logística, compras, design, mídia, etc.

Em agência, muitas decisões focadas em um único profissional (geralmente do marketing) poderiam levar a uma simplificação de hipóteses ou até desencontro de informações – principalmente quando se trata de grandes e-commerces.

Velocidade do trabalho x profundidade dos diagnósticos

O trabalho em agência costuma ser mais dinâmico e mais rápido do que dentro da empresa. Isso porque muitas vezes atendemos vários clientes simultaneamente, os contratos têm um tempo definido, a produção de hipóteses no backlog são constantes.

See also  Widerfunnel's Chris Goward on how Experimenters need to focus less on the tools and more on strategy

Já dentro da empresa, temos mais tempo para nos preocupar com a robustez de cada hipótese, tornando nosso backlog mais enxuto porém com um processo de diagnóstico maior.

Advertisement

Valor do CRO

Dentro de empresas que ainda não possuem muita maturidade no digital (ou que não possuem uma cultura de experimentação), o CRO precisa ser justificado e explicado para diversos times e diversas vezes. O mesmo não acontece dentro do ambiente de agência, onde o mesmo profissional concentra os aprendizados e resultados do projeto e já aprendeu a como repassar isso a sua empresa. 

Aprendizados também geram valor?

Trabalhando dentro da empresa, percebo que muitos dos diagnósticos e testes são muito válidos para além dos resultados: eles geram muito valor para todas as áreas e permitem trabalhar muito mais confiantes em dados. 

Dentro de agência, o foco costuma ser mais voltado para resultados: talvez pela mentalidade, talvez pela forma como os testes são executados… Temos vários fatores que podem influenciar nisso, mas no geral, minhas duas experiências têm apontado para isso.

E você? Já teve oportunidade de trabalhar nos dois ambientes? Qual você se adequa mais? Como foi sua experiência? Vamos trocar uma ideia? linkedin.com/in/anacizilio.


Connect with Experimenters from around the world

We’ll highlight our latest members throughout our site, shout them out on LinkedIn, and for those who are interested, include them in an upcoming profile feature on our site.

You may also like

Comment mesurer le ROI de mon programme d’expérimentation?

How to measure your experimentation program ROI? (In French)

Evolved Search’s Simon Clark talks about the importance of UX and his thoughts about Google Optimize

Simon shares how communication and UX are important to any optimization practice.

Microsoft’s Tim Mehta talks about managing an Experimentation Program

Tim Mehta talks about how he leverages both quantitative and quantitative research to find frustration points to optimize.

Série – Estruturando uma área de CRO na sua empresa – episódio 3 (Participação especial André Vieira)

Neste terceiro episódio contamos com a presença de André Vieira, fundador da Looptimize. Ele nos conta um pouco mais da Read more